Sebo Capricho
Entregas para todo o Brasil

Parcelas até 12x no cartão

Entregas de Moto Táxi para Londrina

Whatsapp: (43) 991271035
(43) 3028-8581

O maior acervo de livros usados do Paraná

Carrinho (0)
Busca Rápida:
Blog Sebo Capricho
Cinco livros para conhecer e entender a cultura do Afeganistão
Toda Rede
10 de Setembro de 2021

Autores do Afeganistão ou que viveram no país nos mostram, por meios dos livros, as diferentes realidades deste local que, ao longo da história, vem sofrendo com os horrores das invasões e das guerras


Quem acompanhou as notícias nas últimas semanas viu o que pode ser considerado um dos eventos mais relevantes em termos de geopolítica internacional: a saída dos Estados Unidos do Afeganistão, seguida por uma reconquista extremamente rápida do país por parte do Talibã. Um fracasso dos EUA que pode ser comparado com a Guerra do Vietnã.


Infelizmente, essa não foi a primeira vez que os afegãos sofreram com os horrores de uma invasão. O país foi colônia da Inglaterra no século XIX, foi invadido pela União Soviética na década de 1970, sofreu com uma guerra por dez anos (1979-1989), após isso sofreram com o governo Talibã (1996-2001) e, também, com a invasão dos EUA, que durou vinte anos.

Para conhecer o Afeganistão

O que mais vemos nas notícias em jornais e revistas são os horrores que muitas destas guerras provocaram neste país, uma realidade que, infelizmente, não pode ser negada. Por outro lado, existem diversos outros aspectos do Afeganistão que nós não conhecemos.


Para conhecer aspectos interessantes da cultura afegã, podemos recorrer à sua rica literatura, que explicita fatores culturais muitas vezes desconhecidos para nós do Ocidente. Por isso, o Blog do Sebo Capricho separou uma lista de cinco livros que se passam no Afeganistão que você não pode deixar de ler. A literatura nos mostra novas narrativas sobre a história e humaniza 


koala-P0NuBF6nA7A-unsplash.jpg
Créditos: Foto de Koala no Unsplash


O Silêncio das Montanhas, Khaled Hosseini (2013)

Em “O Silêncio das Montanhas”, Hosseini traz suas experiências ao ser exilado do Afeganistão. Para isso, conta a história de dois irmãos órfãos, que, ao se separarem, têm contato com muitos outros personagens e culturas em diversas partes do mundo.

O Livreiro de Cabul, Âsne Seierstad (2002)

A jornalista norueguesa Âsne Seierstad apresenta a história de Sultan Khan, livreiro de Cabul que passou por todas as atribulações no país distribuindo livros para a população da cidade. Com a censura imposta pelo Talibã, Khan viu pilhas e pilhas de livros serem queimados. Os relatos do livreiro de Cabul explicitam as contradições do país mas, ao mesmo tempo, nos mostra as riquezas deste lugar.

Cabul no Inverno, Ann Jones (2012)

Em sua jornada como agente humanitária em Cabul, a jornalista norte-americana Ann Jones encontrou uma situação nada feliz. Após o fim dos bombardeios dos EUA, o que se via em Cabul era uma cidade em ruínas. Jones relata a triste realidade das mulheres afegãs, vítimas de estupros, viúvas de guerra, meninas noivas, prostitutas, etc.

O caçador de pipas, Khaled Hosseini (2005)

“O caçador de pipas” conta a história de dois garotos afegãos, Amir e Hassan. Amir era uma criança rica, que morava em uma mansão e, dentro dela, conheceu Hassan, o filho de um empregado. Os dois garotos passavam boa parte do tempo juntos soltando pipas em Cabul. Todavia, um campeonato de pipas irá impedir que Amir ajude Hassan em uma situação que marcará a vida de ambos. Alguns anos após este evento, Amir e sua família se exilaram nos Estados Unidos. Contudo, este evento nunca vai sair da cabeça de Amir, que se sente culpado por não ter conseguido ajudar o amigo. Dessa forma, ele irá voltar ao Afeganistão em uma missão em busca de redenção.

A Cidade do Sol, Khaled Hosseini (2007)

“A Cidade do Sol” nos apresenta a história de duas mulheres com vidas muito diferentes. Enquanto Mariam dedicou toda a sua vida aos trabalhos domésticos e se casou contra a sua vontade com um homem trinta anos mais velho, Laila sempre foi incentivada a estudar e a ser o que quisesse, sem nem pensar em casamento ou filhos. No entanto, uma guerra junta as duas personagens que, tendo todos os seus direitos retirados, passam a compartilhar da mesma realidade, tendo, como única forma de escapar destes infortúnios, a sua amizade.


 

Compartilhe:
Deixe um comentário