Sebo Capricho
Parcelas até 12x no cartão
Entregas para todo o Brasil
Entregas de Moto Táxi para Londrina
Whatsapp: (43) 991271035
(43) 3028-8581
BLOG
O maior acervo de livros usados do Paraná
Carrinho (0)
Busca Rápida:
Blog Sebo Capricho
Bons livros para os papais
Toda Rede
01 de Agosto de 2019

 

O Dia dos Pais está bem pertinho e é hora de pensar em um presente para agradar em cheio os papais de plantão. Livros são uma boa pedida e as opções são muito variadas. Para te ajudar na escolha de um bom título, a equipe do Sebo Capricho foi pedir ajuda para o jornalista Wilhan Santin, um apaixonado por literatura. Pai de duas meninas, Maria Eduarda e Laura, ele indicou algumas opções, com gêneros, tempos e tamanhos bem diversificados.

Começamos as dicas por um clássico: Olhai os lírios do campo, de Erico Veríssimo. “É impossível sair da leitura desse livro do mesmo jeito que entrou, principalmente para quem é pai”, adianta Santin, que lembra que a obra foi publicada pela primeira vez em 1938. O jornalista conta que leu esse livro quando precisou trabalhar um mês fora de Londrina e ficou longe da esposa durante a gestação da primeira filha. Então, foi um momento marcante esse de se encontrar com a história do personagem Eugênio, um rapaz pobre, que conseguiu se formar em medicina, mas que abdicou do amor de sua vida, a Olívia, para se casar com uma moça rica e ter uma carreira. Sem dar spoilers, Santin revela que durante a história Eugênio vai descobrindo o real sentido da vida e a importância do amor aos filhos e da família. “A história dele com o pai também é muito comovente."

 

 

 A segunda dica é um clássico da literatura mundial: O Velho e o mar, de Ernest Hemingway. Publicado em 1954, conta a história de Santiago, um pescado cubano, que ficou 84 dias sem pegar nenhum peixe e foi considerado um pescador azarado. Por isso não podia levar para suas viagens seu grande amigo, o garoto Manolin. Mas um dia ele vai para o mar e acaba pescando um grande peixe. Boa parte da história narra o a luta desse pescador para arrastar esse peixe para dentro do barco. Esse trecho da história, lembra Santin, é contado com tanta riqueza de detalhes que o leitor se sente lá no mar pescando com o velho Santiago. “É uma leitura muito agradável, uma história sobre a amizade entre um velho e um garoto, como pai e filho”.

Outra sugestão do jornalista para presentear os papais nesta data especial é o romance Terra Vermelha, de Domingos Pellegrini. Um romance clássico que conta a história de José e Tiana, um casal que vem do interior de São Paulo para ser pioneiro no Norte do Paraná. O livro reúne a trajetória desse casal com toda a colonização de Londrina e região. Quem é da cidade pode identificar personagens, pioneiros, momentos de luta, de trabalho, grandes lições de vida. “Em algumas passagens o autor ressalta valores que muitas vezes estão em falta nos dias de hoje, como honestidade, sinceridade, liberdade e bondade”, relembra Santin.

Trinta e poucos, de Antônio Prata, é uma leitura mais leve, bem humorada, um resgate de crônicas escritas pelo autor para o jornal Folha de São Paulo entre 2010 e 2016 (quando o livro foi lançado). Nesse período, destaca Santin, Prata foi pai, então tem algumas crônicas sobre a gravidez, o nascimento da primeira filha, a fase de trocar fralda, de acordar de madrugada. 

“Qualquer pai vai se identificar, por isso a leitura acaba sendo muito prazerosa”, confessa o jornalista.

A última dica é a biografia “Estrela Solitária”, de Ruy Castro, que conta a história de Garrincha, e que pode ser um presente certeiro para os pais que gostam de futebol. “Garrincha foi uma pessoa absurdamente genial. Só alguém realmente genial para com as características físicas que ele tinha, as pernas tortas, uma mais curta que a outra, jogar futebol com a qualidade que ele jogou e ganhar duas copas do mundo”, destaca Wilhan. Ele lembra que trata-se de uma história comovente, narra o vício de Garrincha em bebida alcoólica e como o alcoolismo afetou negativamente sua carreira e sua vida. “É um aprendizado, uma história de vida”, lembra Santin, adiantando que a obra traz algumas curiosidades, como a lembrança da última camisa de um time de futebol que o Garrincha vestiu, que foi a do Londrina, do Distrito Federal.

 

 

Compartilhe:
Deixe um comentário